Controle Interno: Definição, Tipos e Exemplos de Controle Interno

Controle interno

O controle interno é o sistema, política e processo implementado por uma corporação para garantir a precisão dos dados financeiros e contábeis, incentivar a responsabilidade e evitar fraudes. Este artigo traz para você o que é controle interno, a contabilidade, exemplos e o Framework COSO.  

Controle Interno: Uma Visão Geral

Desde os escândalos contábeis do início dos anos 2000, o controle interno tornou-se uma função comercial crítica para todas as empresas nos Estados Unidos. Após sua implementação, a Lei Sarbanes-Oxley de 2002 foi implementada para proteger os investidores. Particularmente de fraude contábil e para melhorar a precisão e confiabilidade das divulgações de negócios. Assim, responsabilizando a administração pelos relatórios financeiros e gerando uma trilha de auditoria. Isso teve um impacto significativo na governança corporativa. Além disso, os gerentes que não conseguiram estabelecer e gerenciar adequadamente o controle interno enfrentam consequências criminais substanciais.

A visão do auditor que vem com uma demonstração de resultados depende de uma auditoria dos processos e registros que foram utilizados para criá-los. Enquanto isso, os auditores externos examinarão os sistemas contábeis de uma empresa. E o controle interno como parte de uma auditoria e oferecer uma visão de sua eficácia.

O que mais?

As auditorias internas avaliam os controles internos de uma empresa, que incluem sua governança corporativa e sistemas contábeis. Além disso, eles garantem que as regras e regulamentos sejam seguidos. Que os relatórios e dados financeiros sejam precisos e oportunos. E essa eficiência operacional é mantida descobrindo problemas e corrigindo lacunas antes que sejam detectadas em uma auditoria externa. As auditorias internas são cada vez mais importantes nas operações e governança corporativa de uma empresa.  

Embora não haja dois sistemas de controle interno iguais, muitas ideias-chave relativas à honestidade financeira e aos padrões contábeis estabeleceram métodos de gerenciamento padrão. Embora o controle interno possa ser caro, a implementação eficaz do controle interno pode ajudar a simplificar as operações, aumentar a eficiência operacional e evitar fraudes.

Independentemente das políticas e procedimentos de uma organização, apenas uma garantia considerável pode ser fornecida de que o controle interno está funcionando e as informações financeiras são precisas. Além disso, o julgamento humano limita a eficiência do controle interno. Por razões de eficiência operacional, uma empresa pode frequentemente conceder aos funcionários de alto nível a autoridade para anular os controles internos, e os controles internos podem ser evadidos por meio de conluio.

Tipos de Controle Interno 

Abaixo estão os tipos de controle interno e sua explicação.

Os controles podem ser Primeiro, preventivos, dissuadindo fraudes e erros, ou Segundo, detetives, identificando problemas depois que eles ocorrem. Trabalhando juntos, eles podem impulsionar as atividades de negócios em andamento, resolvendo problemas existentes e prevenindo problemas futuros.

Controle Interno Preventivo

Operações preventivas de controle interno, que incluem documentação detalhada e padrões de autorização. Para tentar evitar que erros ou fraudes ocorram em primeiro lugar. Um componente fundamental desse processo é a separação de tarefas. O que garante que nenhuma pessoa esteja em condições de autorizar ou registrar. Ou estar no controle de uma transação financeira e do ativo associado. O controle interno inclui autorização de fatura e verificação de despesas. Além disso, os controles internos preventivos também envolvem a restrição do acesso físico a equipamentos, estoques, moeda e outros ativos.

Controle Interno Detetive

O controle detetive é um processo alternativo para capturar objetos. Ou eventos em que você perde a primeira linha de defesa. No entanto, a atividade mais significativa aqui é a reconciliação. Que é usado para analisar conjuntos de dados e tomar as medidas apropriadas quando houver disparidades materiais. Por fim, auditorias externas de empresas de contabilidade e auditorias internas de ativos, como estoques, são exemplos de controles de detecção.

Exemplos de Contabilidade de Controle Interno

A seguir estão os exemplos de controles internos contábeis.

#1. Separação de Funções: Exemplos de Controle Interno

É quando há uma segregação de responsabilidades de trabalho entre diferentes funcionários para limitar o perigo de erro ou comportamento inadequado.

#2. Restrições Físicas: Exemplos de Controle Interno

Quando infraestrutura, estoque, títulos, dinheiro e outros objetos de valor são protegidos fisicamente. No entanto, isso pode ser feito empregando fechaduras, cofres ou outras restrições ambientais. Além disso, o acesso tem limite àqueles com a autoridade necessária.

#3. Reconciliações

Para garantir que as informações da transação estejam corretas e que todas as transações estejam devidamente documentadas. As comparações são feitas entre registros semelhantes mantidos por vários funcionários. Além disso, Conduzir uma reconciliação de extratos bancários para verificar registro/registros é um exemplo. registro

#4. Políticas e Processos 

Políticas, processos e documentação que fornecem orientação e educação para garantir um desempenho consistente em um nível de qualidade necessário estão em vigor. Portanto, estes devem ser fornecidos em todos os níveis organizacionais. Departamental, bem como Universidade/Organização.

#5. Revisão de Transações e Atividades

As revisões do gerente de uma transação, operação e relatórios resumidos ajudam a rastrear a eficácia em relação às metas e objetivos. Também identificando problemas, identificando tendências e assim por diante. Exemplos particulares incluem: comparar as declarações orçamentárias com os custos reais mensalmente. Examine os dados de atividade de chamadas telefônicas para chamadas telefônicas pessoais ou não relacionadas a negócios. Os funcionários revisam seus cartões de ponto e horas extras.

#6. Controle para Processamento de Informações

Basicamente, quando as informações são processadas, diversos controles internos são realizados para garantir a correta, completude e autorização das transações. Além disso, verificações de modificação ou comparação com arquivos de controle ou totais aprovados são realizadas nos dados inseridos. Além disso, as transações são contabilizadas numericamente e os totais dos arquivos são gerenciados. E também conciliado com saldos passados ​​e contas de controle. O acesso a dados, arquivos e programas é restrito, assim como o desenvolvimento de novos sistemas e alterações nos existentes.

#7. Modelos

A formalização da papelada financeira promove a consistência, o que torna o auditoria processo mais fácil. Embora alguns relatórios, como um balanço patrimonial ou uma demonstração de lucros e perdas, tenham um estilo comum. Outros papéis podem variar muito entre as equipes de negócios. Além disso, desenvolver e usar os mesmos modelos para estimativas, faturas, pedidos de compra, solicitações de financiamento, recibos e relatórios de despesas garante que itens semelhantes possam ser comparados durante uma auditoria. Agilizar esses itens é um controle contábil interno fundamental que as empresas geralmente ignoram em seu esforço para adotar sistemas de controle mais visíveis.

#8. Balancetes

A contabilidade por partidas dobradas garante o equilíbrio constante dos livros. No entanto, erros e fraudes ainda podem ocorrer em um sistema contábil de partidas dobradas, por isso os balancetes devem ser utilizados com esse método. O balancete é um tipo de controle contábil que agrega estabilidade ao sistema. Ao manter um registro interno de créditos e débitos permite que as organizações descubram os problemas desde o início.

#9. Dados de backup

O sistema de controle contábil interno mais negligenciado são os backups de dados. Como dados financeiros precisos exigem conexão tecnológica entre plataformas, a perda de entrada financeira pode distorcer os relatórios e atrapalhar as auditorias. Além disso, quando a tecnologia falha, relatórios anteriores e dados cruciais podem ser perdidos, causando atrasos nos relatórios e afetando tarefas contábeis essenciais.

Quando os servidores de computador falham, o backup de arquivos digitais na nuvem protege os dados contra perda.

Informações Notáveis

A implementação de controles contábeis eficazes é inútil, a menos que os trabalhadores sejam treinados para agir quando detectam um problema ou suspeitam de conduta. Procedimentos formais devem ser desenvolvidos para educar o pessoal sobre como lidar com os problemas quando eles surgirem. Além disso, quando houver suspeita de erro ou intenção maliciosa, todos os trabalhadores devem saber a quem podem contar e que tipo de resposta esperar. Além disso, suas identidades devem ser protegidas como resultado disso.

Significado completo de COSO

O Comitê de Organizações Patrocinadoras (COSO) da Comissão Treadway criou uma Estrutura COSO para avaliar o controle interno em 1992. Portanto, esse modelo tem sido extenso como a estrutura geralmente reconhecida para o controle interno. E é comumente considerado o padrão-ouro contra o qual as empresas julgam a eficácia de seus sistemas de controle interno.

Estrutura de Controle Interno COSO

Interno control define o modelo COSO Framework como “um processo realizado pelo conselho de administração, administração e outras pessoas de uma entidade para oferecer certeza razoável da obtenção dos objetivos a seguir. Eficácia e eficácia nas operações, Fiabilidade dos Relatórios Financeiros e, por fim, o cumprimento das leis e regulamentos aplicáveis. 

Os cinco componentes subjacentes de um sistema de controle interno eficaz trabalham juntos para apoiar a missão, as estratégias e os objetivos de negócios relacionados de uma entidade:

#1. Controle de Ambiente

  • Mantenha sua integridade e ideais éticos.
  • Certifique-se de fazer um compromisso com a maestria.
  • Faça uso do conselho de administração e do comitê de auditoria.
  • Facilitar a ideologia e o estilo de trabalho da gestão.
  • Estabeleça uma estrutura organizacional.
  • Determinar a delegação de autoridade e dever.
  • Faça uso de políticas e procedimentos de recursos humanos.

#2. Avaliação de risco

  • Em primeiro lugar, crie metas para toda a empresa.
  • Em segundo lugar, incorpore metas em nível de processo.
  • Em terceiro lugar, Conduza uma identificação e análise de risco.
  • Finalmente, a mudança deve ser gerenciada.

#3. Atividades sob controle

Em primeiro lugar, aderir às políticas e procedimentos, em seguida, aumentar a segurança (aplicativo e rede), gerenciar o processo de mudança de aplicativo, preparar para continuidade de negócios/backups, terceirizar deve ser feito.

#4. Comunicação e Informação

Avaliar a qualidade da informação, Avaliar a eficácia da comunicação.

#5. Monitoramento

Observe continuamente a situação, faça avaliações separadas e declare quaisquer falhas.

Por meio de liderança direcionada, valores comuns e uma cultura que enfatiza a responsabilidade pelo controle. Além disso, esses componentes trabalham juntos para estabelecer as bases para um forte controle interno dentro da organização. Além disso, os inúmeros riscos que a empresa enfrenta são identificados e revisados ​​regularmente em todos os níveis e em todas as funções. Além disso, os esforços de controle e outros procedimentos são planejados com antecedência para lidar e minimizar os principais riscos. As informações são cruciais para reconhecer os riscos e cumprir os objetivos de negócios que são distribuídos pela empresa por meio de canais estabelecidos. Por fim, todo o sistema é monitorado regularmente e as falhas são tratadas em tempo hábil.

Quais são os cinco controles internos?

Uma estrutura de controle interno é composta por cinco elementos interligados: ambiente de controle, avaliação de riscos, ações de controle, informação e comunicação e monitoramento.

O que serve como objetivo do controle interno?

Os controles internos destinam-se a interromper erros e anomalias, detectar problemas e garantir que as etapas corretas sejam tomadas para corrigi-los.

Qual controle interno é o mais crucial?

Segregação de funções, transação adequada e permissão de atividade, documentação e manutenção de registros adequados, controle físico sobre ativos e dados e verificações independentes de desempenho estão entre os procedimentos de controle mais cruciais.

Quais são os benefícios do controle interno?

Os controles internos reduzem o risco de dependência excessiva de algumas pessoas-chave, tornando a empresa orientada por processos, e não por pessoas. Os controles internos podem ajudá-lo a encontrar sobreposições em seus procedimentos operacionais e de conformidade, oferecendo a oportunidade de simplificar seus negócios.

Quem é responsável pelo controle interno?

Os controles internos devem ser estabelecidos pela administração. A administração deve manter regras e procedimentos suficientes para sustentar controles internos eficientes. Compartilhe essas diretrizes e políticas.

O que é a lista de verificação de controle interno?

A Lista de verificação de controle interno é uma ferramenta que pode ser usada pela comunidade do campus para avaliar e melhorar os controles internos, incentivar práticas de negócios eficazes e eficientes e aumentar a conformidade em um departamento ou unidade funcional.

Conclusão

O controle interno é o sistema, política e processo implementado por uma corporação para garantir a precisão dos dados financeiros e contábeis, incentivar a responsabilidade e evitar fraudes.

  1. Contabilidade de controle interno: o que é e sistemas de contabilidade
  2. Auditoria Financeira: Tudo que você precisa, Simplificado!! (+ pdf detalhado)
  3. Comunicação Empresarial: Como desenvolver uma estratégia de comunicação eficaz
0 ações:
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar